sábado, 13 de junho de 2009

À VILA DE CAMPO MAIOR

Vila de Campo Maior foste vila de reinados
Tens um castelo imponente que mostra os tempos passados
Tua janela arrendada era janela de rei
E eu tão pobrezinha era tantas vezes lá brinquei
Hoje estás abandonado mas mesmo assim tens beleza
És o refúgio mais belo onde vai a camponesa
Por entre as tuas muralhas se avistam campos além
Searas de trigo louro saindo da terra mãe
Tu tens moinhos de vento de tempos que já lá vão
Ainda existem as mós que faziam a farinha para dela vir o pão
Campo Maior és uma bênção neste nosso Portugal
Não há vila do País que a ti se torne igual
Azeitona Cordovil das tuas terras provém
Chamam-lhe azeitonas de Elvas mas direitos não lhes tem
Ó camponesa ceifeira com pandeireta tocando
Teu cantar é melodia quando tu andas bailando
És arraçada em mourama camponesa d'uma figa
Tens olhos cor de azeitona cabelos negros ao vento
E pele cor de uma espiga

Rosa Dias

3 comentários:

Ana Martins disse...

Bela Homenagem à Vila de Campo Maior!

Beijinhos,
Ana Martins

Tétis disse...

Olá Luísa

Este é um hino a Campo Maior, uma terra que não conheço mas que já tenho prometido a mim mesma que um dia lá irei.

Parabéns à Rosa Dias por tão belo poema e parabéns a ti, Luísa, por o teres publicado.

Beijinhos

elvira carvalho disse...

Amiga, a festa hoje é no Sexta. Passe por lá e junte-se a nós.
Um abraço e fico à espera.